quinta-feira, 2 de abril de 2009

João Paulo II: quatro anos no Céu!



“Peregrino do amor, assim podemos definir o que foi o Papa João Paulo II. O Papa que mais viajou pelo mundo, visitando todos os povos foi um instrumento permanente do Amor de Deus, exemplo de dedicação e amor ao Evangelho. Hoje, dia 4 de abril de 2009, completam-se 4 anos do falecimento de João Paulo II”. Grupo de oração jovem João Paulo II


“Quando penso no mundo,
que se desvanece e morre
pela falta de Cristo;
quando penso no caos profundo
em que se despenca
a inquieta e cega humanidade
pela falta de Cristo;
quando me encontro
com a força da juventude
apática e destroçada
na própria primavera da vida
pela falta de Cristo,
não posso sufocar as queixas
de meu coração.
Quisera multiplicar-me, dividir-me,
para escrever, pregar,
ensinar Cristo.
E do espírito mesmo do meu espírito
brota contundente e único grito:

Minha vida por Cristo!”

Papa João Paulo II




Os «milagres» de João Paulo II

Imediatamente depois da morte de João Paulo II começaram a se conhecer supostas curas e «milagres» nos quais o falecido Papa haveria intercedido em vida. Para aprofundar estes episódios Andrea Tornielli, vaticanista do jornal «Il Giornale», realizou uma investigação recolhida no livro «Os milagres do Papa Wojtyla» («I miracoli di Papa Wojtyla», Piemme), publicado a princípios do verão. Nesta entrevista concedida a Zenit, aborda o conteúdo de suas páginas:

Quais e quantos são os milagres atribuídos à intercessão de João Paulo II que se relatam no livro?

Andrea Tornielli: Descrevo amplamente oito, mas cito mais. Trata-se dos testemunhos que surgiram imediatamente depois do falecimento de João Paulo II. Em alguns casos, trata-se de relatos dos quais eu tinha conhecimento desde há tempo, mas dos que me havia pedido que não escrevesse em vida do pontífice.

Quem são as testemunhas dos «milagres»?

Andrea Tornielli: Na maior parte dos casos os interessados diretamente ou seus familiares. Em um caso, no de um judeu norte-americano curado, a testemunha é o arcebispo Stanislaw Dziwisz, que durante quatro décadas foi secretário de Karol Wojtyla.


Por que escrever um livro assim sobre João Paulo II? Não está antecipando o processo de beatificação?

Andrea Tornielli: De maneira alguma. Meu trabalho se trata de indicações de graças ocorridas enquanto o Papa Wojtyla estava ainda com vida e portanto não podem ser utilizadas no processo, que como é sabido toma em consideração supostos milagres ocorridos pela intercessão do servo de Deus após sua morte. O que tentei fazer, reunindo estes testemunhos, é fazer ver quantas vezes em torno ao Papa e graças à sua oração de intercessão as pessoas recebiam graças. Intencionalmente escrevi um capítulo ao final do livro narrando episódios similares sucedidos em outros Papas em odor de santidade.


João Paulo II era consciente dos acontecimentos extraordinários dos que foi portador?

Andrea Tornielli: Era, porque às vezes percebia algo que ocorria; outras vezes porque comunicavam a ele em seguida, agradecendo-o. Mas ordenava sempre a todos que não falassem, que permanecessem em silêncio. E sobretudo sublinhava que os milagres e as graças as fazia o Senhor, não o Papa. Este rogava só para que as petições das pessoas que sofriam fossem escutadas.

Independentemente dos sucedidos extraordinários, o pontificado de João Paulo II influiu de maneira determinante em eventos históricos, e não só na queda do muro de Berlim. Não acredita?

Andrea Tornielli: Foi um papado que atravessou o último quarto do século XX e introduziu a Igreja no terceiro milênio. Estou de acordo em que a influência que teve nos acontecimentos históricos não há que vinculá-la só à queda do muro de Berlim (ainda que nesse caso o Papa originário da Polônia teve sua contribuição determinante): pensemos, por exemplo, no gesto profético da visita à mesquita de Damasco em maio de 2001, poucos meses antes do 11 de setembro. Era como se indicasse com antemão o caminho a seguir.

Fonte: Zenit


“Somente o que é construido sobre Deus, sobre o amor, é durável. Não tenham medo de ser santos!”


Papa João Paulo II


Um comentário:

Lua dos Açores disse...

Acho o seu blog muito lindo! Vale a pena cá vir.

Como poderá ter reparado questionei se Vc teria conhecido o Irmão Silencio na CN já que menciona frases dele no post silêncio e não menciona a fonte que poderá ter sido eventualmente o Blog Abraço do Pai (não sou a autora do blog).

Abraço fraterno e obrigada por este espaço de Paz e meditação.